Produção de álcool



O processo de produção do álcool consiste nas seguintes etapas:

- O caldo misto extraído das três moendas é enviado a um tanque de onde se faz a divisão do caldo para o processo de açúcar e álcool.

- O caldo enviado para o processo de álcool, após sair do tanque pulmão, passa por um processo de peneiragem em peneiras estáticas para retirada do sólidos em suspensão (bagacilho). A seguir, esse caldo é bombeado para um trocador – regenerador de calor a placas (2) AX 30, onde é aquecido de 30ºC para 65ºC em contra corrente com o caldo clarificado/pré – evaporado, ou seja, ao mesmo tempo em que o caldo misto é aquecido, o caldo clarificado/pré-evaporado é resfriado proporcionalmente.

- O caldo misto aquecido a 65ºC e segue para o processo de dosagem, onde o caldo passa por um processo de correção de pH, elevando-o de 5,5 para 6,8.

- Após a correção de pH, o caldo misto passa a se chamar caldo dosado, que é enviado para oito aquecedores horizontais, onde é aquecido de 65ºC para 105ºC. Este caldo a 105ºC sofre um flasheamento no bolão de flash para a retirada do ar de seu interior e vai para os decantadores (2 decantadores com capacidade de 850m3 cada).

- Nos decantadores, o caldo sofre o processo de clarificação, onde ocorre a separação, por um lado do caldo clarificado e por outro lado do lodo.

- O lodo segue para um tanque pulmão de lodo e, a seguir, é enviado para os filtros rotativos a vácuo, de onde se obtem o caldo filtrado e a torta.

- O caldo filtrado se recicla no processo, mais especificamente na dosagem, recuperando o açúcar presente no lodo; a torta é enviada para a lavoura para servir como adubo.

Fermentação:
- O mosto preparado é enviado para as dornas de fermentação. São 28 dornas de 250 m3 cada. Nas dornas, o mosto é adicionado sobre o pé de cuba preparado.

Preparo do pé de cuba:
- O vinho fermentado das dornas (mosto após fermentação + fermento) sofre uma centrifugação visando o reaproveitamento das leveduras utilizadas na fermentação.
- O vinho delevedurado é enviado para a destilação.

- O leite de leveduras é enviado para um tratamento com a adição de água fria, na proporção de duas partes de água, por parte de fermento, adição de H2SO2 , até PH = 2,2 e agitado durante 3 horas.

- Esse tratamento é feito com cubas de 100 m3 cada. Existem 4 cubas para este tratamento de fermento. A seguir, o pé de cuba é enviado para a dorna de fermentação.

- Após esta operação, inicia-se a alimentação do mosto na dorna até o seu enchimento. Deve ser respeitado um tempo de enchimento da ordem de 3 h. Depois que a dorna estiver cheia, há uma demora de 4 a 5 horas para que a fermentação se realize, ou seja, para que o açúcar se transforme em álcool e CO2.
- Após esta fermentação, esta dorna está pronta para sofrer centrifugação do vinho e iniciar-se um novo ciclo.

Colunas:
- O vinho delevedurado é enviado para caixas de alimentação no piso superior da destilaria. Daí, por gravidade, alimentam as colunas de destilação.

- O vinho de caixa passa pelo condensador, onde condensa o álcool que sai pelo topo da coluna B. É aquecido a 60ºC. A seguir, passa nos trocadores de calor, onde troca calor com a vinhaça; o vinho é aquecido a 92ºC e a vinhaça resfriada a 85ºC K.

- O vinho aquecido a 92ºC alimenta a coluna A1, onde sofrerá uma concentração na produção alcoólica, sendo que no interior da coluna, haverá uma elevação dos vapores ricos em álcool e uma descida do líquido condensado pobre em álcool. Esse líquido pobre em álcool (vinhaça), ao atingir o fundo da coluna A, é retirado.

- Dos vapores ricos em álcool, uma parte alimenta a coluna de purificação D e outra parte alimenta a coluna B sob a forma de flegma, cuja concentração é de 50% de álcool em volume e 50% em água + resíduos formados por álcoois superiores, aldeidos, estere, etc.

- Os vapores que caem do topo da coluna D são condensados em dois condensadores (R e R1), utilizando água como refrigerante. Do vapor condensado em R e R1, parte reflui para a coluna D e parte é retirada como álcool de segunda para tancagem.

- O flegma que foi alimentado na coluna B1 sofrerá um processo de purificação e concentração; pelo topo da coluna B saem os vapores de álcool 94º GL hidratado. Pelo fundo de B1 sai um líquido aquoso isento de álcool que é denominado flegmaça. Essa flegmaça retorna para o preparo do fermento.

- Os vapores alcoólicos que saem da coluna B são condensados nos condensadores E, E1 e E2, sendo que no E o líquido refrigerante é o vinho que vai alimentar a coluna. Nos condensadores E1 e E2 o refrigerante é a água.

- Todo esse vapor alcoólico condensado retorna como refluxo para a coluna B e um pouco mais abaixo da entrada desse refluxo, é feita a retirada de álcool hidratado. Esse álcool vai para um tanque medidor e a seguir é bombeado para os tanques de armazenagem.

- Na coluna B1 existem tomadas de retirada de óleos altos (esteres, acetatos) e óleos baixos (óleo fusel). Estas retiradas são resfriadas numa resfriadeira TQO2 e a seguir enviadas para o decantador de óleo fusel. Desse decantador saem dois produtos: óleo alto, que é misturado ao álcool de segunda e óleo fusel, que é retirado e armazenado.


Produção de álcool anidro

O processo de produção do álcool anidro consiste nas seguintes etapas:

- O álcool hidratado, retirado da coluna B para produzir álcool anidro, passa pela válvula 2 que está aberta e válvula 1 que está fechada.

- Após passar pela válvula 2, vai para um aquecedor de álcool QO3 e, a seguir, alimenta a coluna C. Esta coluna é a coluna desidratadora.

- Essa coluna recebe alimentação de álcool hidratado e ciclo-hexano. Devido a adição de ciclo-hexano, forma-se uma mistura de ciclo-hexano, água e etanol. Essa mistura azeotrópica é retirada pelo topo da coluna C.

- Os vapores que saem da coluna C (mistura azeotrópica) são enviados para dois condensadores denominados H e H1, onde são resfriados com água. Todo o condensado é misturado com ciclo-hexano puro (reposição) proveniente da caixa W1.

- A seguir, recebe o condensado proveniente do condensador I, que trabalha ligado a coluna P. Todo esse condensado é enviado para um decantador de ciclo-hexano, que está no topo da coluna C.

- Nesse decantador, ocorre a separação de duas camadas, sendo que a superior, rica em ciclo-hexano, retorna para a coluna C como refluxo.

- A camada inferior, rica em água e pobre em ciclo-hexano, é enviada para a coluna de recuperação de ciclo-hexano P. Essa coluna fornece água como produto de fundo e pelo topo saem os vapores ricos em ciclo-hexano que vão ser condensados no condensador I.

- Desse condensador I, uma parte segue pela linha 17 que entra na coluna C e a outra parte segue pela linha 22 e entra na coluna P como refluxo.

- O álcool anidro que sai do fundo da coluna C é enviado para a resfriadeira J e, a seguir, é enviado para o tanque medidor TQO2. Depois disso, é enviado para os tanques de armazenamento.

- Álcool anidro – d = 0,79 kg/litro a 20ºC, ou seja: 100 litros de álcool anidro, pesam 79 kg a 20ºC.

Um comentário:

Postar um comentário

Postagens Recentes

Postagens Populares